SINTA-ME

 

                                      RVRegly

 

Procuras um amor?

Espere a noite chegar... abra a janela,
Deixe a luz do luar entrar, iluminar sua face...

 

Chegue mais perto, olhe pro céu,
Aprecie o cintilar das estrelas,
A lua que cheia te acompanha.

 

Agora feche seus lindos olhos...

Deixe a brisa tocar seu corpo,
Envolver seus contornos...

 

Não, não os abra, se permita invadir,
Sentir sem cessar esse momento sem fim...

Deixe seu coração queimar...
Sinta a liberdade se instalar...


Não precisa mais esperar,

De mansinho vem te possuir...
Atiçar seus instintos,
Causar-lhe risos...


Sensações de plenitude,
Cumplicidade...
Vontade...
Desejos...
Causar-lhe emoções...
Desvendar seus anseios.

 

Não terás saudades,
Encontrarás a paz singular,
Terás vontade de toda noite lá estar
Não para procurar,
Mas sentir, querer e ter,
Mesmo sem meu rosto ver.

 

 

 

 

 

 

SÓ HOJE


                         
 RVRegly

 

Queria ser imortal
Pra manter cravado em meu peito
Essa cruz de amor
Que sem fadigas se mantém incólume.

 

Queria ter asas pra alcançar o topo,
Mesmo sabendo que me manteria perdido
Sem encontrar motivos ou razões,
Cativo de minhas lembranças despidas.

 

Queria sentir na alma o velado amor,
Misturar as essências dos corpos,
Trafegar meus sentimentos sem medos,
Encontrar no espinho uma flor.

 

Queria ser a pedra que a água acaricia,
O véu que esconde faces,
O Sol que oculta a lua,
Manto que aquece corpos frios.

 

Queria uma estrela me sorrindo

Me trazendo alento em brilhos,
Olhando meus passos nas noites,
Iluminando as lágrimas que correm.

Queria por um instante parar.


Não trazer pensamentos,
Não ter fardos do passado,
Inexistir e desfrutar a paz.

 

Queria uma canção de amor
Que falasse das alegrias,
Encontros apaixonados,
Mas não tanto da dor.

 

Queria no horizonte o dissipar das brumas,
Os campos floridos em cor,
O suave som das cascatas,
Ouvir meu coração sorrir.

 

Queria fugir de mim,
Ser um pássaro que voa e vai,
Uma jangada que se perde no mar...
Só não queria estar aqui.

 

 

 

 

 

BATOM NA TAÇA DE VINHO

 

                                      RVRegly

 

 

Um dia fomos um...
Nos sentimos completos,
Repletos de amor na plenitude de nós,
Nos compreendemos, respeitamos...
Nos amamos do mais puro amor.
Dividimos cada espaço do nosso abrigo,
Nos entendíamos pelo simples olhar,
Enfrentamos momentos difíceis superando-os.
Sorrimos muito, muito brincamos...
De mãos dadas caminhamos pelas ruas,
Flores te ofertei.
Ainda tenho seu sorriso na lembrança
Foi o último, não o vejo mais.
Minhas mãos no vazio procuram tocar sua face,
Os arrepios em mim são da certeza da perda.
Você foi única em mim, me completou,
Me invadiu tomando posse de tudo,
Se instalou...
Hoje, olho pro nada e te vejo...
Fecho os olhos e te encontro...
Ainda estou revestido de você.
Mesmo na ausência, sua presença é permanente.
Ainda não sei se quero me livrar dessa sensação ou deixar...
Como se escolha pudesse ter.
Foi tudo tão lindo o que vivemos que...
Mesmo com sua distância não aceito a perda.
Ficar nisso é assumir o risco de sofrer mais,
É permanecer sentindo essa dor que não pára,
É manter a porta fechada para um outro alguém,
Mas... esse outro alguém existe?
Será que sou capaz de, outra vez,
Amar tanto assim, como te amei?...
Como te amo!?...
Como eu queria agora te olhar nos olhos
E ver aquela luz que brilhava quando me via,
Como eu gostaria de ver seu jeito meigo
De mim se aproximando, fazendo chamegos,
Carícias, beijos, ternuras...
Como eu gostaria de voltar no tempo
E, colocando a aliança, te pedir eternidade...
Sua taça de vinho estava com a marca do seu batom,
Foi a última vez que conversamos,
Seus olhos agrediam,
Seu perfume, que ainda tenho na lembrança,
Se espalhava pelo ambiente
Como o aroma da mais perfumada flor.
E eu... Cheio de amor me via agredido
Pelo olhar e embevecido pelo odor.
Aí, você se foi...
Deixando à mesa sua taça de vinho
Com a marca da sua boca que tanto beijei.
E no meio de tantas pessoas
Fiquei preso em meu mundo,
De frente para a solidão.
Eu ali... Te vendo partir...
Nas outras mesas todos sorrindo,
Falatório alto...
Um casal se beijando...
Música ambiente...
Meu coração em prantos...
Ainda me lembro o que senti naquele instante,
Mas tenho vergonha de expressar,
Pois a Deus pertence à vida
E só Ele Pode tirar.
Foi um momento difícil, ainda é...
Quando a noite chega sou invadido voraz pela solidão,
Ela se instalou em mim de forma viral...
Meus risos se foram...
Lembrei-me de ter uma foto sua guardada,
De imediato a busquei para te ver.
Matar tanta saudade contida em mim.
Quando percebi a estava rasgando...
Como se com esse ato eu conseguisse
Te arrancar de dentro do meu peito,
Te matar em mim pra eu sobreviver,
E nessa atitude mais uma vez te perdi,
Era a única de minha posse.
Não adianta eu colar os pedaços,
Jamais ficará igual,
E penso...
Não adianta um dia haver o retorno,
Como a foto, nossa união se despedaçou,
Jamais poderá ser colada,
E o tempo não volta,
O tempo não pára...
A mim resta a dor até a cura...
A você, não sei... mas não me procure,
Você escolheu o fim,
O fim de nós dois que...
Um dia fomos um.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

         

 

 

 

 

Website, Designs & Graphics by Rose Mori

Copyright © 2010 - Todos os direitos reservados

Publicado em 26/04/2010