MULATA BRASILEIRA

 

 

De tantas mulheres faceiras,

Salve a mulata brasileira.

Maliciosa, cheia de trejeitos,

Pra nos enfeitiçar tem seu jeito.

 

Nos seus olhos tem tanta malícia,

No corpo com fina elegância,

Vai ondulando belos quadris,

Que, a todos, nos deixa febris.

 

É fruto de um apuro de raças,

São belas mulheres nas praças,

Que, sempre, inspiram muito amor.

 

Mulata que, com faceirice,

Herdou da branca sua meiguice

E da negra um doce langor.

 

 

 

 

 

DEUSA NEGRA

 

Negra como a noite mais negra,

Bela qual a borboleta bela.

Deusa negra entre deusas gregas,

Deusa de beleza singela.

 

Como que, dentre tantas flores,

Uma se destaca em beleza?

Qual artista que escolhe as cores?

É um segredo na natureza!

 

Entre tantas, a negra é tão bela,

Bela como a noite de luar,

Que tanto ao poeta vem inspirar.

 

Junte a negra ao branco, na tela,

Não teremos nem ouro nem prata.

Deus fará uma bela mulata.

 

 

 

 

 

 

DEUSA MORENA

 

Louvo, agora, a deusa morena

Bonita de beleza helena,

Encanta com sua face clássica,

Deslumbra com sua pose plástica.

 

Entre morenas tão faceiras,

Com matiz de pele doirada,

Destaca-se a deusa bronzeada,

Bela morena brasileira.

 

Bronzeada da praia de Ipanema,

Passa, em seu biquíni sumário,

Levando seu bairro ao calvário.

 

Bela, como a linda Iracema,

Para tantos é fruto proibido.

Mas, a todos, desperta a libido.

 

 

 

 

 

 

 

 

DEUSA RUIVA

 

O Brasil não é terra de ruivas,

Ruivas, quase o Brasil não tem.

Só lá no sul, terra das uvas,

Onde há poucas ruivas também.

 

Se alguma achamos, aqui na terra,

É uma exceção que logo aberra,

Porque são falsas, na maioria,

São ruivas de tinturaria!

 

Se uma deusa ruiva queremos,

Mas fácil é agulha na palha!

É difícil, mas procuremos.

 

Pra ser legítima, não espalha;

Tem que ser toda bem branquinha,

Com a pele muito pintadinha!

 

 

 

 

 

 

 

DEUSA LOURA

 

 

Entre louras é uma deusa loura,

Louros cabelos, sempre lindos.

Dourados como só Deus doura

Olhos que inspiram sonhos infindos.

 

Olhos travessos que nos dizem

O que sua boca não declara.

Todos sonham que as mãos deslizem

Sobre aquela pele tão clara.

 

Clara, branca, maravilhosa,

Com o aroma de pele sedosa.

Perfume floral do jardim.

 

Jardim onde existe um jasmim,

Só, apaixonado pela rosa.

Loura rosa, clara e formosa.

 

 

 

 

 

Extraído do Livro Mulher Estelar - Sonetos

Série Raças

Manoel Virgílio

 

 

 

 

 

 

                   

 

 

 

 

Website, Designs & Graphics by Rose Mori

Copyright 2011 – Direitos Reservados

Publicado em  07/12/2011