A qualquer hora

vou perder o juízo e sair do sério!

E não responderei por mim

- nem por ninguém –

e que ninguém também responda,

não porque eu não queira,

mas porque não há o que se dizer...

Me escondi das dores,

elas me encontraram

fizeram de mim

o que bem quiseram.

Resisti e estou aqui,

sempre pronta

para lutar mais uma guerra.

A vida já me passou  muitas rasteiras;

e continua passando.

Hoje, já não me derruba mais

- aprendi a me equilibrar

na corda bamba do destino –

Mas chega a hora em que tudo cansa,

até mesmo a paz fingida

e o sorriso mascarando a dor.

E é por isso

que a qualquer hora  desatino

e, então,

farei coisas que nunca fiz,

não por gosto,

nem por desgosto:

só pra não me arrepender

de não ter feito.

Vou deixar o sol bater em meu rosto

sem medo de queimar a pele;

vou deixar o vento despentear meus cabelos

e a chuva molhar meu corpo.

Vou andar descalça na vida,

sem receio de ferir os pés.

Vou me lambuzar de gostosuras

(entenda como quiser)

Vou jogar fora o relógio

que inexorável marca o tempo,

e ser feliz para sempre,

sem hora marcada para voltar.

Basta de reprimir sentimentos,

basta de pensar no amanhã.

Afinal de contas,

quem pode garantir

que haverá amanhã?

Quem?

 

 

 

Menu de poemas Página inicial Envie para um amigo Assine o Livro de Visitas

 

 

Website, Designs & Graphics by Rose Mori
Copyright © 2013 – Direitos Reservados
Publicado em 27/02/2013