Central

MADRUGADA

 

                              (Rose Mori)

 

 

Madrugada quente, silenciosa,

sem qualquer vestígio da lua no céu.

Apenas sombras...

Permaneço à janela contemplando o nada,

ouvindo apenas o sussurrar da noite

E o sono não vem...

Um turbilhão de pensamentos desencontrados

e muitas vezes incompreendidos

preenche as lacunas da mente,

despertando os sentimentos...

Fragmentos do passado...

Lembranças que se interpõem

ao tão buscado esquecimento

e fluem desordenadamente...

Na boca, o gosto amaro

das lágrimas incontidas.

Beijos, carícias e sentimentos

que se perderam no tempo

deixando a marca na alma.

Quantos momentos e segredos partilhados!

De tudo, resta apenas uma melancolia indizível.

Fecho a janela do quarto

e me tranco em minha saudade.

madrugada
Indique esta página